Geografia

Licenciatura

Projetos

DITEFRON - Dinâmicas territoriais e espaços fronteiriços: produção do espaço, globalização e urbanização

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Greisse Quintino Leal

Colaboradores: Ana Maria Soares de Oliveira, Eudes André Leopoldo de Souza, Jane Roberta de Assis Barbosa, Rafael Oliveira Fonseca, Regina Helena Tunes, Ricardo Lopes Batista, Sandra Cristina de Souza, Sandra Lencioni, Vera Lucia Freitas Marinho

Vigência: início em 15/07/2022,  término previsto para 15/07/2024.

Resumo: O grupo de pesquisa funda-se no âmbito do curso de Geografia da Unidade da UniversidadeEstadual de Mato Grosso do Sul (UEMS/Jardim), localizada na faixa de fronteira. O grupo depesquisa nasce de uma necessidade teórico-metodológica de construir uma agenda investigativana qual os processos socioespaciais históricos e contemporâneos sejam analisados a partir darealidade concreta das áreas fronteiriças, especialmente na fronteira de expansão doagronegócio e de uma urbanização não linear, se considerarmos o processo de urbanização doBrasil. Tendo em vista que o território brasileiro possui 17 mil quilômetros de fronteira com osdemais países latino-americanos (Uruguai, Argentina, Paraguai, Bolívia, Peru, Colômbia,Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa), 588 municípios constituídos na faixa defronteira e aproximadamente 10 milhões de habitantes fronteiriços, os eixos de pesquisa buscamabarcar a diversidade dos fenômenos sociais e das dinâmicas espaciais em áreas de fronteira

Contato: greisse.leal@uems.br

 


Formação Continuada para Professores de Geografia da Rede Pública: novos desafios e saberes

Tipo: Extensão

Coordenador(a): Daiane Alencar da Silva

Colaboradores: Ana Maria Soares de Oliveira; Andreia Nunes Militão; Bruno Ferreira Campos; Dalila Tavares Garcia; Debora Pereira Simões; Deivid Cristian Leal Alves; Fernando Guimarães Oliveira da Silva; Greisse Quintino Leal; Hudson Lolli Ghetti; Lorrane Barbosa Alves; Luiz Felipe Rodrigues; Patrícia Alves Carvalho; Tiago Satim Karas.

Vigência: Início em 10/03/2022, término previsto para 30/12/2022.

Resumo: Essa proposta de Projeto de Extensão surgiu com a preocupação dequalificar a formação continuada docente a partir de diálogos comsaberes e práticas voltadas para o trabalho didático focado emdemandas oriundas da associação de direitos humanos, democraciae inclusão social. Esse curso é voltado para docentes que lecionam adisciplina de Geografia na educação básica dos municípios de GuiaLopes da Laguna e Jardim/ MS. Em razão da instabilidade política emgeral que acarretou na instalação de uma agenda regressivacongelando os recursos públicos destinados para saúde, educação einvestimento social e mediante a reforma do Ensino Médio (Lei13.415/ 2017) houve uma precarização do papel do professor, quepode ser substituído por sujeito de notório saber, sem a devidaformação teórica e pedagógica para estar em sala de aula,influenciando numa formação acrítica. Nesse sentido, essa propostado projeto de extensão visa estimular e valorizar a profissão docentecrítica e atenta para o exercício dos direitos humanos, democracia einclusão social. Este projeto discute temáticas pertinentes ao Ensinode Geografia enfocando as mudanças da BNCC para os campos desaberes e experiências relacionados à Ciência Geográfica,promovendo a interação entre as/os participantes no intuito derepensar as práticas pedagógicas realizadas cotidianamente naescola. A reflexão teórica trará suporte aos desafios que a Educaçãoe a juventude demandam, com pensamento crítico, dialogado eemancipador, que possibilitem uma formação continuada preocupadacom a melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem.

Contato: daianealencar@uems.br

 


Dinâmica Hidrossedimentológica e Depósitos Quaternários do Rio Paraguai no Pantanal Sul (entre foz dos Rios Miranda e Apa).

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Sidney Kuerten

Colaboradores: Marinha do Brasil - MB/RJ, RJ, Brasil; University of Kentucky - UK, Estados Unidos; Centro de Energia Nuclear na Agricultura - CENA, SP, Brasil; UFMS - Campus de Três Lagoas - CPTL/UFMS, MS, Brasil; Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR, PR, Brasil; Universidade Estadual de Maringá - UEM, PR, Brasil; UFMS - Campus do Pantanal - CPAN/UFMS, MS, Brasil; Aguinaldo Silva; Beatriz Lima de Paula Silva; Ericson Hideki Hayakawa; Hudson de Azevedo Macedo; Isabel Terezinha Leli; José Cândido Stevaux; Michael McGlue; Leandro Domingos Luz;

Vigência: Início em 03/12/2021, término previsto para 03/12/2024.

Resumo: O rio Paraguai é o rio-tronco de um sistema deposicional caracterizado pela presença de megaleques fluviais construídos pelos rios que drenam áreas circunvizinhas e por ele próprio. O rio Paraguai atravessa a maior área alagada do planeta, o Pantanal e integra um complexo sistema hídrico não isolado, que recebe ao longo de seu
percurso o in put de água e sedimento advindo de importantes afluentes que drenam vastas áreas antropizadas (cerca de 400 mil km²). Assim, cinturões de meandros abandonados, anabranches, avulsões, migrações laterais, alterações na largura, comprimento de onda e curvatura dos canais sugerem, que o rio teve uma história quaternária influenciada por mudanças alóctones (climáticas) e autóctones (avulsões, etc.) suficientemente expressivas para produzir o padrão ora observado no trecho sul (entre a cidade de Corumbá e a foz do rio Apa). Este trecho do rio Paraguai constitui também um importante cenário turístico de pesca, integra a rota de segurança
nacional, é uma via de escoamento de commodities que será potencializada pelo corredor bioceânico (Atlântico-Pacífico) com a edificação de um terminal hidroviário e uma ponte estaiada sob o canal. Uma complexa relação hidrológica e sedimentar depende da intensidade das cheias e a hipótese central é que neste trecho, o rio Paraguai apresenta ?funcionamento herdado?, em que formas antigas são re-utilizadas, por condições hidrológicas muito diferentes de sua formação. As implicações, ambientais e ecológicas desse sistema são inteiramente desconhecidas e valorizam em muito os objetivos desta pesquisa (caracterizar o regime hidrossedimentar atual; interpretar os processos responsáveis pelas mudanças no padrão fluvial; e identificar a ocorrência e distribuição de microplásticos). Metodologicamente serão associadas geotecnologias atuais, técnicas de paleoidrologia, de hidrossedimentologia, cronologia absoluta, análises multi-proxy e a identificação e quantificação de microplásticos no Pantanal sul.

Contato: sidneykuerten@uems.br

 


Apoio à Metodologia Científica para o Curso de Geografia

Tipo: Ensino

Coordenador(a): Greisse Quintino Leal

Colaboradores: Jordana Vitória da Silva Santana e demais estudantes da graduação

Vigência: Início em 01/07/2022, término previsto para 31/12/2012.

Resumo: Essa proposta de Projeto de Ensino surgiu com a preocupação assistir aos/às discentes esclarecendo dúvidas acerca das Normas ABNT, Plataforma Moodle e acesso ao e-mail pessoal/da turma. Decorrente deste objetivo geral, este projeto visa incentivar os/as discentes, em especial do 1º ano, à prática de pesquisa e extensão, bem como a participação em eventos acadêmicos, científicos e culturais que a universidade proporciona; Promover maior autonomia nos/as discentes quanto o acesso às plataformas digitais e desenvolvimento de textos. A proposta, justifica-se, tendo em conta que os e as discentes do curso de Geografia tendem a ser alunos/as-trabalhadores ou que já concluíram o Ensino Médio há um certo tempo, apresentando dificuldades com as plataformas digitais utilizadas pelos professores/as para armazenar textos e atividades. Além disso, apresentam séria dissensão em incorporar as Normas ABNT em seus trabalhos acadêmicos. Assim, a bolsista promoverá elucidação acerca de dúvidas ao acesso do e-mail e do Moodle, que dificultam o processo ensino-aprendizagem e desgastam a relação entre docente e discente quando este último não consegue realizar as atividades e leituras necessárias para a disciplina. A matodologia consiste na realização de encontros com a orientadora para que a bolsista se inteire do funcionamento do e-mail e da Plataforma Moodle. Textos para lei tura e discussão. Atendimento aos discentes durante 1h por três dias na semana a serem realizados pela bolsista em local adequado na instituição.

Contato: greisse.leal@uems.br

 


GeoIdeias - Geociências para todos

Tipo: Extensão

Coordenador(a): Sidney Kuerten

Colaboradores: Hudson Lolli Ghetti; Lino Maragno; Valdinéia de Aguiar Brito.

Vigência: Início em 01/05/2022, término previsto para 01/06/2024.

Resumo: O presente projeto compreende a realização de oficinas didático-pedagógicas desenvolvidas por professores do ensino superior, com o apoio de execução de atividades diversificadas realizadas por acadêmicos do curso de Geografia em parceria com professores da rede municipal e estadual de ensino da cidade de Jardim (MS). Serão planejadas, organizadas e executadas oficinas sobre diferentes temas da Geociências (enquanto grande área do conhecimento), dentre eles, Pedologia, Geologia, Geomorfologia, Hidrologia. A temática do projeto está consoante com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) das disciplinas de Ciências e Geografia da Educação básica. As oficinas serão realizadas entre maio de 2022 e 2024 (principalmente ao longo dos períodos letivos da educação básica). As atividades presenciais serão condicionadas normas e recomendações do plano de BioSegurança da UEMS. Serão então realizadas atividades em diferentes espaços como salas de aula e laboratórios da UEMS, Unidade Universitária de Jardim, bem como locais periurbanos para visitas técnicas. Contudo, espera-se contribuir com a formação dos futuros profissionais do curso de Geografia pela experiência adquirida ao longo das oficinas, bem como contribuir com a diversificação e incremento da educação básica em Jardim pelo público atendido.

Contato: sidneykuerten@uems.br

 


Geografia histórica e história do lugar na Rede Belavistense de Jornais: o acervo digital como preservação da memória geo-histórica no Sudoeste do estado de Mato Grosso do Sul

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Tiago Satim Karas

Colaboradores: Anailton de Souza Gama; Arnaldo Rodrigues Menecozi; Cláudia Aparecida Paez Acosta; João Carlos Velasquez; Maria Madalena Dib Mereb Greco; Victor Hugo Velasquez Pereira.

Vigência: Início em 10/06/2022, término previsto para 09/06/2024.

Resumo: O presente projeto tem o objetivo de debater sobre as contribuições teóricas e metodológicas da geografia histórica e história do lugar a partir da fonte primária de pesquisa dos jornais da Rede Belavistense. Sua finalidade específica é conscientizar estudantes, professores, instituições públicas e privadas sobre a importância da preservação da fonte ao empreender a prática de digitalização de baixo custo deste acervo jornalístico. A metodologia a ser empregada será de aprofundar a pesquisa em referencial bibliográfico a respeito das contribuições teórico-metodológicas da geografia histórica, também serão buscadas parcerias em secretarias municipais, instituições públicas e privadas da região Sudoeste do estado de Mato Grosso do Sul, a fim de implementar acervo digital. Para isso, a proposta é adotar um sistema adaptado de foto digitalização, similar ao empregado pelo Instituto Histórico Geográfico deste estado, instituição essa que já é parceira e temos trabalhado em colaboração em outros projetos, como na “Rede Belavistense de Jornais: a fonte jornalística no ensino da geografia histórica local e regional”, já em fase de conclusão. Os resultados esperados com a realização desse projeto é mobilizar a comunidade acadêmica, escolas, sociedade em geral sobre a importância da preservação de uma fonte jornalística que é singular, não só para contribuir com estudos e pesquisas futuras na geografia histórica, seja na graduação ou pós-graduação, além do ensino e aprendizagem na educação básica, mas sobretudo para colaborar na preservação de um material histórico, que na verdade são os únicos exemplares desses jornais que se tem conhecimento.

Contato: satimkaras@uems.br

 


Um estudo sobre a implantação da Rota Bioceânica em Mato Grosso do Sul: perspectivas para os setores do agronegócio, logística e transporte e os desdobramentos socioespaciais

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Ana Maria Soares de Oliveira

Colaboradores: 

Vigência: Início em 04/04/2022, término previsto para 30/04/2024.

Resumo: A presente proposta busca apreender as perspectivas dos setores do agronegócio, logística e transporte, frente à criação do corredor rodoviário bioceânico – Rota da Integração Latino Americana que ligará Mato Grosso do Sul (Brasil) aos portos do Chile, passando pelo Paraguai e Argentina, interligando assim a costa do Oceano Atlântico à costa do Oceano Pacífico. A atenção se voltará também para o entendimento acerca da expansão e consolidação dos negócios e atividades produtivas no âmbito do agronegócio (pecuária, sojicultora, complexo celulósico e canavicultora, por exemplo) que promovem a reprodução ampliada do capital e provoca rearranjos produtivos e organizacionais do capital e seu consequente avanço no território de Mato Grosso do Sul. Além dos aspectos econômicos que envolverão os setores supracitados e que provocam novos arranjos territoriais, produtivos e organizacionais para o capital, o propósito nesta pesquisa é, sobretudo, apreender e discutir os desdobramentos socioespaciais decorrentes desse processo e da implantação da Rota Bioceânica, considerando que este corredor rodoviário passará por diversos municípios ao longo de seu traçado, impactando comunidades, culturas, costumes e modos de vida diferentes. Desse modo, esta pesquisa se pautará também na investigação e mapeamento das comunidades situadas no traçado da Rota em Mato Grosso do Sul e, particularmente na região sudoeste do estado, atentando para o cenário vivenciado por elas quanto aos aspectos territoriais, culturais e socioeconômicos das mesmas..

Contato: ageo@uems.br

 


Rede Belavistense de Jornais: a fonte jornalística no ensino da geografia histórica local e regional

Tipo: Ensino

Coordenador(a): Tiago Satim Karas

Colaboradores: Carla Cristine Garcete Nascimento; Gezeli Eberhard; Hudson Lolli Ghetti; Arnaldo Rodrigues Menecozi; Maria Madalena Dib Mereb Greco; Victor Velasquez; Wellington Luiz de Marchi

Vigência: início em 01/10/2021, encerrado em 30/04/2022.

Resumo: O presente projeto de ensino visa Compreender a dimensão das fontes históricas/jornalísticas no ensino da geografia histórica do lugar a partir da Rede Belavistense de Jornais. Tendo em conta esta perspectiva, essa proposta busca estudar os pressupostos teórico/metodológico da geografia histórica e sua interdisciplinaridade; Conhecer diferentes experiências do uso das fontes históricas jornalísticas no ensino, bem como na pesquisa, da geografia histórica; A proposta de desenvolvimento deste projeto de ensino, justifica-se, acima de tudo, pela importância de refletir acerca das contribuições teórico-metodológicas das fontes históricas no ensino, bem como a pesquisa, da/na geografia, especialmente os arranjos geo-históricos da formação espacial. A proposta deste projeto de ensino adota três procedimentos metodológicos para sua execução: o estudo teórico/bibliográfico dos pressupostos teórico/metodológico da geografia histórica e sua interdisciplinaridade; a execução de palestras ministradas por convidados colaboradores acerca do tema e a seleção, bem como, coleta de material histórico/jornalístico como instrumento de ensino e aprendizagem da geografia histórica local e regional.

Contato: satimkaras@uems.br

 


Arranjos Territoriais do Capital Monopolista e Financeiro em Mato Grosso do Sul

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Tiago Satim Karas

Colaboradores: Bruno Ferreira Campos; Guillermo Alfredo Johnson; José Gilberto de Souza; Ruy Moreira.

Vigência: Início em 01/08/2019, encerrado em 31/07/2021.

Resumo: Este projeto de pesquisa possui três eixos de análises tendo como objetivo estudar diferentes arranjos territoriais integrados do capital monopolista e financeiro no estado de Mato Grosso do Sul, tais como: o monopólio da renda versus especulação financeira da terra no∕do agronegócio, a especulação financeira da terra no espaço urbano e o monopólio da exploração turística da natureza no Parque Nacional Serra da Bodoquena. Esta proposta parte do princípio da indissociabilidade das dimensões monopolistas e financeiras da expansão das relações econômicas no sistema capitalista. Tal interdependência manifesta-se concretamente no espaço e no tempo como “valor em movimento”, cabendo, assim, a necessidade de compreender as características coordenadas destes eixos de análises neste recorte espacial.

Contato: satimkaras@uems.br

 


Tecnologia Assistiva em LIBRAS

Tipo: Ensino

Coordenador(a): Anailton de Souza Gama

Colaboradores: Adélia Maria E. Azevedo, Eden Marreto dos Santos, Léa de Fátima Gauna Martins, Hudson Lelli Ghetti, Adriane de Lima Carneiro

Vigência: início em  20/10/2021, encerrado em 20/03/2022

Resumo: O projeto tem por objetivo implantar uma política de inclusão social das pessoas com deficiência, compreendida como a eliminação de barreiras físicas, psicológicas e de comunicação promovendo, assim, as condições adequadas para garantir sua inserção real e virtual. O projeto contribui para o aprimoramento e melhoria da qualidade dos cursos de graduação da Unidade de Jardim. Incentivando processos de inovação na prática educativa com o uso da tecnologia assistiva; ampliando os espaços da aprendizagem e o uso de recursos e metodologias de ensino e práticas de inclusão social; integrando disciplinas, módulos e outros componentes curriculares dos cursos de graduação da Unidade de Jardim; possibilitando o intercâmbio de acadêmicos(as) e docentes dos diferentes cursos da Unidade; Potencializando o debate sobre temas clássicos e contemporâneos, dentre eles a inclusão e o uso da Tecnologia Assistiva; propondo ações que visem garantir a acessibilidade física (mobilidade e usabilidade dos espaços e dos recursos materiais), virtuais entendida aqui como recursos e serviços que visam facilitar o desenvolvimento de atividades diárias por pessoas com deficiência, desenvolvendo habilidades e competências da aprendizagem escolar considerando o currículo do Curso de Licenciatura em Geografia.

Contato: anailton@uems.br

 


As contribuições da interseccionalidade com as diferenças para se problematizar o saber-fazer docente

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Fernando Guimarães Oliveira da Silva

Colaboradores(as): 
Prof. Dr. José Antonio de Souza; Estudantes da graduação: Luciano Delgado Lopes; Yago Rodrigues Ferreira; Talison Franco Hora.

Vigência: Início em 11/11/2019, encerrado em 08/11/2021.

Resumo: Sabendo da reatualização do ataque neoconservador à educação pública em razão de discursos de uma sociedade que perdeu a moral e os famosos 'bons costumes', a proposta deste projeto, por um lado, visa entender como a intersecção se localiza como uma proposta para o trabalho pedagógico em diferentes áreas do saber que possibilita ao/à Professor/a ocupar o espaço do senso comum a partir do uso do conhecimento científico necessário. Junto a isso, tem-se a autonomia pedagógica na definição de estratégias curriculares e as propostas de aprendizagem de seus/suas alunos/alunas. Trata-se especialmente de ofertar espaço de fruição da criatividade para que possam junto às suas áreas discutir com seus/suas alunos/alunas temas da atualidade, ou melhor interseccionar discussões advindas das cobranças curriculares de sua área com questões sociais pertinentes da atualidade. Por outro lado, oportuniza assim, entender necessidades do espaço de formação inicial do/da futuro/a professor/a. Entendendo esse último aspecto com o sentido de produzir condições científicas de enfrentar redes de poder que dolorosamente impõem um silenciamento da formação crítica de crianças e adolescentes da escola pública, partindo assim de situações que remetem às diferenças (gênero, sexualidade, raça, etnia, renda...) que as crianças e adolescentes possuem como recurso para se pensar o que planejar e o que propor em suas áreas.

Contato: fernando.oliveira@uems.br

 


Dinâmicas territoriais na fronteira em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero: desenvolvimento regional e apropriação dos recursos naturais, históricos e culturais pela atividade turística e pela prática do ensino

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Daiane Alencar da Silva

Colaboradores(as): 
Fernando Guimarães Oliveira da Silva, Greisse Quintino Leal, Juliana Nazaré Luquez Viana, Viviane Capoane, Wagner Souza Goulart.

Vigência: início em 01/08/2020, término previsto para 01/08/2023.

Resumo: O projeto de pesquisa 'Dinâmicas territoriais na fronteira em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero: desenvolvimento regional e apropriação dos recursos naturais, históricos e culturais pela atividade turística e pela prática do ensino' é uma iniciativa vinculada aos Grupos de Pesquisa Dinâmicas territoriais e espaços fronteiriços: produção do espaço, globalização e urbanização e Grupo de Estudos em Fronteira, Turismo e Território, ambos cadastrados no CNPQ. A proposta visa contribuir com os estudos relacionados a fronteira Brasil-Paraguai, através de outras perspectivas, relacionadas não somente a prática turística, como também as possibilidade de prática de ensino por meio dos elementos que constituem esse espaço. Cabe a Universidade – especialmente a Unidade de Jardim, que encontra-se na faixa de fronteira, promover a produção científica e acadêmica sobre essa temática, uma vez que reverbera no espaço geográfico do estado de Mato Grosso do Sul as relações estabelecidas na fronteira Brasil-Paraguai. A pesquisa tem como objetivo principal analisar as dinâmicas fronteiriças e suas implicações no desenvolvimento regional. Dessa maneira, justifica-se essa pesquisa pela necessidade de contribuir com o processo de produção científica e acadêmica acerca das questões fronteiriças, que estão presentes e são atuantes no estado e, principalmente, na região onde estamos inseridos enquanto instituição de ensino. Além de colaborar com o pensamento geográfico em relação ao desenvolvimento regional e as potencialidades existentes na região de estudo, e que podem, num futuro, servir de embasamento para trabalhos relacionados a área da Geografia, História, entre outras, a partir da prática de ensino e aprendizagem.

Contato: daianealencar@uems.br

 


Núcleo de estudos e pesquisas em abordagens interseccionais antirracistas nas educações (NEAIAEDU)

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Fernando Guimarães Oliveira da Silva

Colaboradores(as):  Estudantes de graduação: Talison Franco; Luciano Lopes; Yago Rodrigues; Catia Ferraz; Loslayne Cardamone; Adailton Marques.

Vigência:

Resumo: Pautamo-nos com a proposta de problematizar os saberes no âmbito da formação inicial e continuada de professores/as acerca da articulação entre conhecimento cotidiano das diferenças e o conteúdo curricular, pensando num projeto societário e educacional libertário, emancipador e decolonizador.

Contato: fernando.oliveira@uems.br

 


Espetáculo de si: dimensões semiformativas

Tipo: Pesquisa

Coordenador(a): Marsiel Pacífico

Colaboradores(as):  Claudia de Cilo Mazucato Neri, Julianaa Nazare Luquez Viana, Thaina da Silva Ferreira, Thyesare Luiggy Enzo Grubert.

Vigência: Início em 01/10/2019, encerrado em 30/09/2021

Resumo: A enunciação do conceito Espetáculo de Si, inaugurada no artigo homônimo de 2019, propõe a revisão da atualidade da Sociedade do Espetáculo descrita por Debord no termos em que a espetacularização não se circunscreveria ao mais à mercadoria, ganhando a centralidade dos processos comunicativos, sobretudo nos ambientes virtuais. Desse modo, o espetáculo não se refere mais aos produtos mais sim às vidas dos sujeitos, tornando-se nosso éthos comunicacional no ciberespaço. Nestes ambientes, o modo como nos expressamos, em geral, almeja a construção de uma narrativa espetaculosa da vida privada, como produção de um show do eu, que concorre pela audiência do público junto a outros tantos espetáculos do cotidiano. Tal forma cria uma lógica concorrencial que demanda diferenciais para seu consumidor. Intensidade, experiências extremas e conectividade são altamente comuns entre os digitais influencers de mais sucesso. Outrossim, a nossa experiência como o cotidiano, por visar a sua imagem, e não a sua essência, é atravessada pelo espetáculo e por ele reconfigurada em um colapso crítico das possibilidades formativas. Desse modo, buscaremos pela análise de redes sociais e portais como o Facebook, Instagram e o Youtube, analisar como o Espetáculo de Sí se consolida paulatinamente como éthos comunicacional e discorrer sore as consequências formativas do processo.

Contato: marsiel.pacifico@uems.br

 


A Neurociência e as Práticas Pedagógica 

Tipo: Extensão

Coordenador(a): Marsiel Pacífico

Colaboradores(as): Claudia de Cilo Mazucato Neri, Julianaa Nazare Luquez Viana, Thaina da Silva Ferreira, Thyesare Luiggy Enzo Grubert.

Vigência: Início em 01/10/2019, encerrado em 30/09/2021.

Resumo: O presente projeto visa capacitar professores da rede pública, potencializando suas práticas pedagógicas a partir dos conhecimentos estabelecidos pela neuroeducação. Dessa forma ofertamos um curso de capacitação para introduzir os docentes ao tema, visto que a área ainda não conseguiu a abrangência necessária em âmbito nacional. Neste curso conheceremos melhor o funcionamento do cérebro humano e discutiremos de que forma tal saberes transformam-se em novas significações da prática pedagógica. Posteriormente, ofereceremos um grupo de apoio para que, à medida do interesse espontâneo dos docentes que concluírem o curso, possamos ajudar tais professores a implementar práticas embasadas pela neuroeducação em seu cotidiano escolar, com monitores que são alunos da instituição e serão orientados pelo professor coordenador. 

Contato: marsiel.pacifico@uems.br




Notícias e Eventos
Professores
Disciplinas
Projeto Pedagógico
Estágio & TCC / Monografias
Fotos
Projetos do curso
Links e Arquivos
Publicações
Galeria de ex-professores
Manual Acadêmico
Calendário Acadêmico