Programas da Capes favorecem o aprendizado em licenciaturas na UEMS

Por: Emmanuelly Castro | Postado em: 04/10/2018

Professores Clemilton e Neurivaldo

Os programas Residência Pedagógica e Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) desenvolvidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), estão proporcionando o contato com a sala de aula a acadêmicos de Licenciatura. O objetivo é uma formação de futuros professores alinhada às expectativas e necessidades das escolas e MS.

Na Residência Pedagógica, que é ofertada pela primeira na UEMS, os acadêmicos dos últimos anos são inseridos nas escolas públicas cadastradas, para realização de projetos de ensino que vão proporcionando a ambientação com a dinâmica de sala de aula.  “Um projeto como esse é importante para que o aluno possa experimentar o futuro campo de atuação numa escola, dialogar e adquirir conhecimento”, comenta o coordenador do programa de Residência Pedagógica, professor Clemilton Pereira dos Santos.

A Residência Pedagógica tem hoje 144 alunos bolsistas, divididos em seis núcleos. Dois na área de Matemática, em Dourados e Nova Andradina; Um de História e Ciências Sociais, em Amambai, um multidisciplinar de Língua Inglesa e Portuguesa, em Jardim; um multidisciplinar de Língua Inglesa, Portuguesa e Espanhola, em Campo Grande e um de Geografia em Jardim. Esses alunos são acompanhados por preceptores, nas escolas e orientadores, que fazem parte do curso em que o núcleo está vinculado.

Na UEMS, o acompanhamento em sala para alunos de Licenciatura começa nos primeiros anos de faculdade, com o outro projeto da Capes: o Pibid. Nesse projeto, são mais de 504 bolsas para acadêmicos dos primeiros anos de Licenciatura. A imersão em escola, com a criação de projetos pedagógicos e acompanhada por professores supervisores, com encontros semanais, que a são discutidas as práticas de ensino. “Os acadêmicos auxiliam os professores em sala de aula, com projetos individuais e projetos coletivos, criados pelos núcleos em que o bolsista está vinculado. Isso acaba ajudando a escola e os professores a desenvolverem praticas que não são possíveis no dia a dia da escola”, explica o Coordenador do Pibid/UEMS, Neurivaldo Campos Pedroso Júnior.

Os dois projetos começaram em agosto de 2018 e oferecem um bolsa de R$ 400 aos acadêmicos participantes. Como cada Núcleo tem 24 acadêmicos vinculados, outros seis são voluntários participando do projeto e aguardando uma bolsa. “Esse é um momento muito especial para nossa Universidade, com o andamento desses dois projetos. A interação da Universidade e Escola Pública é importante, pois estamos pensando nas nossas Licenciaturas. Estamos trabalhando para formar profissionais que as escolas esperam. É uma formação conjunta desse profissional”, afirma Neurivaldo Campos.