Projeto da UEMS ganha 1º lugar em concurso da Itaipu Binacional

Por: Eduarda Rosa | Postado em: 19/12/2018

Um projeto desenvolvido pela unidade de Mundo Novo da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) ganhou o primeiro lugar na categoria Entidades Privadas e Instituições de Ensino, entre mais de 130 projetos de 40 municípios, no 2º Concurso de Boas Práticas - Cidades Sustentáveis, organizado pela Itaipu Binacional e Conselho de Desenvolvimento dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu, por meio do Programa Cidades Sustentáveis. A divulgação do resultado ocorreu nesta terça-feira (18).

O concurso foi lançado como forma de motivar, incentivar, valorizar e dar visibilidade às boas práticas correlatas aos 12 eixos do Programa Cidades Sustentáveis, desenvolvidas por entidades públicas, privadas e sociedade civil que contribuam para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e metas da Agenda 2030, no Oeste paranaense e Mundo Novo (MS).

A Cerimônia de premiação ocorreu no Centro de Eventos do Balneário de Santa Helena – Paraná na noite desta terça-feira (18). A UEMS esteve representada pelo Professor Dr. Jean Rosset. A Comissão julgadora foi constituída pela equipe da Rede Nossa São Paulo e Instituto Ethos, organizadores do Programa Cidades Sustentáveis no Brasil.

Em 2018 estiveram aptos a participar do concurso os municípios lindeiros ao Lago da Itaipu e os demais participantes da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop) que estão envolvidos ativamente no Programa Cidades Sustentáveis e fizeram sua adesão ao Pacto Global (São 54 municípios no total). Foram inscritas 137 boas práticas de 40 municípios.

Os projetos podiam ser inscritos em três categorias: Setor público; Entidades privadas e Instituições de ensino; e Sociedade civil.

Projeto da UEMS de Mundo Novo

O projeto desenvolvido pela UEMS-Mundo Novo é uma parceria com o Poder Judiciário, na qual réus são disponibilizados para a prestação de serviços comunitários.

Para disponibilizar mão de obra, sem onerar o Estado, firmou-se uma parceria com o Poder Judiciário de Mundo Novo/MS, de modo que a UEMS recebesse réus para a prestação de serviços comunitários. Os objetivos do projeto eram melhorar a manutenção dos espaços, dos serviços prestados e oportunizar a comunidade carcerária a execução de reprimendas alternativas na UEMS. Para tanto foram planejadas ações para a implantação da prática de gestão que iniciou em março de 2017.

Os recursos referentes à parte humana, física e administrativa utilizados foram os já existentes. Indicadores e métodos de monitoramento e avaliação foram criados para o acompanhamento dos resultados. A prática de gestão completou 1 ano e 7 meses em outubro de 2018. Durante este período a UEMS recebeu 37 reeducandos, sendo 34 homens e 03 mulheres. Estes contabilizaram 2833 horas prestadas (= 354,1 dias trabalhados). A um custo diário de R$80,00, que gerou uma economia de R$28.330,00. O tempo total a ser cumprido soma 13.700 horas de serviços comunitários (o que equivalem a 1712 dias), o que perfaz 7 anos de serviço se um funcionário fosse contratado pelo Governo para executar essa carga horária. Após a conclusão, esses dias vão gerar uma economia de R$137.000,00. Também é possível uma projeção de economia de R$ 2.055.000,00 se a prática for implementada nas 15 Unidades da UEMS (o que representa 1,0% do orçamento da UEMS - 2018). Além disso, o principal resultado qualitativo é à inclusão social e ressocialização dos réus. Destaca-se ainda a replicabilidade, inclusive em Prefeituras, Escolas Estaduais, Agraer, etc.

Segundo o gerente da unidade e coordenador do Projeto, professor Leandro Marra, receber esta premiação da Itaipu Binacional é coroar um ano de muito trabalho e fechá-lo com chave de ouro. “Ficar entres os melhores num contexto que engloba uma vasta região do Estado do Paraná que possui grandes e renomadas Instituições de Ensino Superior deve ser motivo de grande orgulho para a comunidade acadêmica da UEMS e também do estado de Mato Grosso do Sul. Agradecemos a todos os envolvidos que apoiam e contribuem com o projeto, em especial a comunidade acadêmica da UEMS, ao Poder Judiciário de MS e aos reeducandos”, destacou.

A mudança da infraestrutura da Unidade é visível e a inovação do projeto vai além da economia na manutenção do prédio, ressaltou Marra. “O resultado qualitativo é à inclusão social, reinserção e ressocialização dos réus. A prática é inovadora, pois apresenta contribuições para a modernização da Gestão Pública, com resultados mensuráveis e positivos para o serviço público e para a sociedade, por meio da incorporação e combinação de novos elementos/mecanismos, provenientes do esforço e do conhecimento de servidores de distintas instituições”, explica Leandro Marra.

Para o Juiz da Comarca de Mundo Novo, Dr. Eduardo Floriano de Almeida, o comprometimento da UEMS tem sido o diferencial para o sucesso do projeto, em especial com a inclusão dos reeducando num ambiente universitário contribuindo com fim da pena, através da contraprestação de serviços para a sociedade.

Este é o segundo prêmio que o projeto recebe, uma vez que ficou na honrosa sétima colocação, dentre 41 projetos inscritos no XIII Prêmio Sul Mato-grossense de Inovação na Gestão Pública realizado em novembro deste ano.


Anexos: