UEMS tem propostas aprovadas na chamada Mulheres na Ciência

Por: Liziane Zarpelon | Postado em: 15/09/2022

A Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (PROPPI) da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) comunica que três propostas de pesquisadoras da Instituição foram aprovadas na Chamada Fundect Nº 10/2022 - Mulheres na Ciência Sul-mato-grossense promovida pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (FUNDECT). Outras propostas de docentes da UEMS encontram-se aprovadas na Lista de Espera.

Confira o edital aqui.

As propostas aprovadas foram:

  • “Probiótico (Lactobacillus rhamnosos) paraprobiótico (cepas inativas de L. rhamnosos) e simbiótico (cepa probiótico L. rhamnosos e paraprobiótico L. rhamnosos) na dieta de dourados (Salminus brasiliensis)”, que obteve nota 10 e orçamento aprovado de R$ 68.900,00 - coordenado pela Profa. Dra. Cristiane Fátima Meldau de Campos Amaral;
  • “Gênero e Ciência: a participação das mulheres na carreira científica em Mato Grosso do Sul”, com nota 9.50 e orçamento aprovado de R$ 85.286,00 - coordenado pela Profa. Dra. Marinete Aparecida Zacharias Rodrigues;
  • “História Educação Superior e Memória - Vozes de Educadoras sobre a Constituição Histórica da Unidade Universitária de Campo Grande da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul”, com nota 9.25 e orçamento aprovado de R$ 65.740,00  - coordenado pela Profa. Dra. Kátia Cristina Nascimento Figueira.

Conversamos com as professoras que tiveram suas propostas aprovadas, confira o que elas dizem:

Profa. Dra. Cristiane Fátima Meldau de Campos Amaral

Com a presente proposta é esperado estabelecer protocolos alimentares envolvendo a adição da bactéria Lactobacillus rhamnosos como probiótico, como paraprobiótico e seu uso combinado (simbiótico) para juvenis de dourados visando melhoria das condições imunológicas e maior resistência dos peixes frente a manejos de rotina e exposição à patógenos. Uma vez estabelecido um protocolo para uso desses aditivos, a resposta positiva será diretamente na fase inicial de produção, com peixes mais saudáveis e ganho na produtividade”.

Profa. Dra. Marinete Aparecida Zacharias Rodrigues

Percebemos a importância da Chamada Fundect 10/22 "Mulheres na Ciência Sul-Mato-grossense" quando nos deparamos com a triste realidade dos altos índices de violência contra as mulheres, as desigualdades salariais entre homens e mulheres, o difícil acesso das mulheres aos direitos humanos, e a subrepresentação feminina nas ciências, e em cargos de chefias em laboratórios, e centros de pesquisas. Investir em pesquisas envolvendo as mulheres nas ciências, é promover a igualdade social, de gênero, cultural, política e intelectual. Cabe, portanto, lembrar que pesquisas contemplando a participação feminina nas ciências é ainda um tema pouco investigado, principalmente no Brasil. As pesquisas nesta área ainda carecem de investimentos financeiros, humanos e tecnológicos. Assim, parabenizamos a iniciativa da Fundect por tornar possível nossa pesquisa sobre "Gênero e Ciência: a participação das mulheres na carreira científica em Mato Grosso do Sul''. Esperamos avançar no conhecimento sobre as contribuições femininas para as ciências em Mato Grosso do Sul e com isso eliminar as desigualdades sociais e de gênero em nossa sociedade”.

Profa. Dra. Kátia Cristina Nascimento Figueira

O auxílio recebido é importante porque se traduz no reconhecimento institucional de que as mulheres produzem o conhecimento de forma séria e de que a materialização da igualdade de gênero suscita investimento público. Nossa pesquisa além de contar com uma equipe de professoras pesquisadoras tem como objeto a análise das memórias das educadoras partícipes da construção da Unidade Universitária de Campo Grande. Assim, há uma confluência da expertise com o objeto de estudo. Crescem as profissionais e a UEMS.”

Em consonância ao edital Mulheres na Ciência da Fundect, a PROPPI também tem inserido políticas de incentivo às mulheres na ciência. De acordo com a Divisão de Pesquisa, os últimos editais do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) já contemplam tais políticas, como o aumento do período para a pontuação da produção científica de 3 para 5 anos, de pesquisadoras que tiveram licença maternidade ou adotante nos últimos anos.

“ Objetivando acompanhar as discussões de diversos órgãos de fomento de Pesquisa, Institutos e Universidades brasileiras, além das discussões a nível internacional, como a Meta 5 presente nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU, que trata da Igualdade de Gênero, a Divisão de Pesquisa implantou políticas de incentivo às mulheres na Ciência nos últimos Editais lançados. Tendo em vista a relevância dessas questões, faz-se necessário garantir tais políticas nas resoluções, como forma de avanço desse tema na Universidade”, reforça Alessandra Paim Berti, Chefe da Divisão de Pesquisa/PROPPI.

Mulheres na Ciência

Apenas 32% do total das Bolsas de Produtividade em Pesquisa (PQ) e Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (DTI) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) são concedidas a mulheres no Mato Grosso do Sul. Além disso, entre os Grupos de Pesquisa cadastrados no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq e certificados por alguma instituição de Mato Grosso do Sul, apenas 45% são liderados por mulheres, de acordo com levantamento feito em fevereiro de 2022.

A igualdade de gênero tem sido uma questão central para as Nações Unidas, expressa em um dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU - Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Certamente a igualdade de gênero e o empoderamento de mulheres na ciência contribuirá de forma crucial não apenas para o desenvolvimento econômico dos países, mas também para o progresso em todos os objetivos e metas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Por isso a Fundect entende que se faz necessária a execução de ações afirmativas no sentido de atenuar essa assimetria de gênero na liderança de projetos científicos no âmbito do estado, proporcionando assim um maior protagonismo feminino no desenvolvimento da CT&I regional.

Uma dessas ações foi a abertura da Chamada Fundect 10/2022 - Mulheres na Ciência Sul-Mato-grossense, com o objetivo principal de selecionar e apoiar projetos de pesquisa e inovação que contribuam para o desenvolvimento do Estado de Mato Grosso do Sul e que sejam coordenados por pesquisadoras mulheres vinculadas às ICTs e Universidades sediadas no Estado. Foram ofertados R$ 2 milhões, com recursos do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, para apoiar projetos de R$ 40 mil a R$ 100 mil. www.fundect.ms.gov.br/mulheres-na-ciencia-2022/